quarta-feira, 1 de outubro de 2014

O Orkut está morto e enterrado



Desde a manhã de ontem que uma das mais antigas e populares redes sociais, antes de ser ultrapassado pelo Facebook, deixou de existir. Ao acessar o endereço http://www.orkut.com vai encontrar apenas um arquivo das comunidades públicas numa espécie de Museu Virtual.

Inclusive consegui encontrar, neste museu, uma comunidade de onde eu moro. Ficou estabilizada em mais de 6000 membros mas foi uma das mais populares da região. Inclusive deixei um texto de despedida que, por algum motivo, não se integrou no museu.

Porém dei um Takeout das minhas postagens na segunda e dei um jeito de republicar em:

http://mesquita-orkut.adilson.net.br/

Só tem um único tópico, aquele que não foi com o resto da comunidade. Mas, tem o link para os arquivos da antiga comunidade. Só resta mesmo a lembrança.

Mais informações:

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/o-orkut-esta-morto-sobrou-so-um-museu-de-comunidades
http://olhardigital.uol.com.br/noticia/44381/44381 - Google transforma Orkut em museu virtual

Tenham uma boa semana

quinta-feira, 3 de julho de 2014

No-IP recupera boa parte dos domínios tomados pela Microsoft

Parece que as coisas estão se normalizando no ciberespaço

Ao menos um final feliz para quem teve problemas com o No-IP, no início desta semana. A Microsoft praticamente renunciou o controle dos 23 domínios que tomou do No-IP. De acordo com http://arstechnica.com/security/2014/07/order-restored-to-universe-as-microsoft-surrenders-confiscated-no-ip-domains/ 18 domínios já foram restaurados, incluído o domínio que configurei na época em que o Dyn encerrou o serviço gratuito. Anida restam 5, que terminam com .org para serem restaurados. De acordo com Natalie Gougen, assessora de imprensa do No-IP, quem utiliza domínios que não terminam com org deve ter o serviço restaurado assim que as mudanças forem propagadas. Quem ainda estiver tendo problemas pode tentar utilizar os DNS do Google e do OpenDNS que já foram atualizados com as últimas transferências.

Ainda bem que esse transtorno está chegando ao fim. Praticamente boa parte da Internet parou por conta de uma busca por atividades criminosas por parte da Microsoft que teve um sério efeito colateral.

Tenham uma boa semana.

terça-feira, 1 de julho de 2014

Microsoft, para derrubar botnet, derruba o No-IP deixando milhões de inocentes na mão.

Hoje a Microsoft exagerou na dose.

Ontem, inexplicavelmente o No-IP parou de funcionar como deveria, não só na minha máquina, como também em diversos computadores e servidores ao redor do mundo, o que gerou até uma discussão em algumas listas a respeito disso até que veio a notícia: A Microsoft vai atrás de um argelino e um kuwaitiano por conta de um malware que aproveita do No-IP e resolvem pegar o controle de 23 domínios que é utilizado pela empresa. Ou seja, 23 domínios fora do ar.

Segue uma tradução do http://www.theregister.co.uk/2014/07/01/microsoft_takes_over_noip_domains_to_block_malware_marketing/ que explica melhor sobre o que aconteceu.

A Microsoft obteve uma liminar que dá o controle sobre 23 domínios pertencentes ao provedor de DNS dinâmico (DDNS) Vitalwerks Internet Solutions - depois de alegar que eles estavam sendo utilizados por um malware desenvolvido no Oriente Médio e África.

Vitalwerks opera o serviço No-IP DDNS  no estado americano de Nevada, e não há evidência de que estava envolvido com as operações do malware.

O serviço trabalha por mapear o endereço IP dos usuários, como, por exemplo, o ip público do roteador ADSL do tipo minhacasa.ddns.net. Isso permite conectar na máquina por um hostname de fácil memorização mesmo que você esqueça do endereço IP ou o provedor resolve mudar (do tipo caiu a conexão e ganha um novo ip ao reconectar).

O time de pesquisa em segurança da Microsoft alega que identificou dois tipos de malware para Wndows, Balbadini e Jenxcus, usando contas do No-IP para comunicar com os seus criadores em 93% das infecções detectadas e que, 245 partes do malware também usa o No-IP.

"Apesar de numerosos avisos da comunidade no abuso nos domínios do No-IP, a empresa não tomo as medidas suficientes para corrigir, remediar, prevenir ou controlar o abuso ou manter os domínios seguros de atividade maliciosa." alega Richard Boscovich, conselheiro geral assistente da Unidade de Crimes Digitais da Microsoft.

Os papeis do processo alega que Blabadini foi escrito por Naser Al Mutairi, um morador do Kuwait, enquanto Jenxcus, supostamente e executado por um Argelino chamado Mohamed Benabdellah. A Microsoft alega que ambos venderam, aproximadamente, 500 cópias do malware para criminosos e, anunciaram isso enquanto usam o No-IP para cobrir os seus rastros. A gigante do software disse que detectou cerca de sete milhões de infecções pelos dois pacotes.

A corte em Nevada deu ordem de restrição temporária contra o No-IP, e o seu tráfego de DNS está passando pelos servidores da Microsoft, aonde as informações são filtradas para encontrar hostnames associado com a atividade maliciosa. Redmond diz que esta é a primeira vez que a empresa tomou medidas contra botnets que operam fora da Europa.

No-IP na linha de tiro novamente

Não é a primeira vez que  o serviço No-IP foi apontado  por prover um canal para operação de malwares. Em fevereiro, a Cisco publicou dados mostrando uma grande quantidade de tráfego de malware que estavam fluindo pelos servidores DNS da Vitalwerks.

Hoje, a ação judicial sucedida, foi recebida com uma decepção pela empresa controladora do No-IP Vitalwerks. A porta voz Natalie Goguen disse para o The Register que a Microsoft não entrou em contato antes da tomada, e que a primeira vez que a empresa soube da ação foi quando os papeis chegaram no CEO ainda no café da manhã, e milhões dos seus clientes estão agora sem o serviço.

"Nós temos cerca de quatro milhões de usuários afetados pela queda, pessoas que estão fazendo coisas muito boas com o serviço," disse ela. "A Microsoft deveria filtrar o tráfego de malware do tráfego bom mas aparentemente os seus servidores não podem lidar com isso."

Gougen disse que a empresa faz o melhor para filtrar o tráfego malicioso dos seus servidores DNS - embora, com apenas 14 empregados, as habilidades são de fato limitados. E adicionou que fica feliz em trabalho com outras empresas para fazer que as pessoas parem de usar o seu serviço de forma ilegal.

Microsoft disse para o El Reg que, devido a ação em curso contra e empresa e os dois criadores do malware, está incapaz de comentar sobre as alegações da Vitalwerks sobre a queda.

Redmond, em vez disso, limitou os seus comentários a duas postagens do blog e um infográfico.

Ou seja, para combater um problema, em vez de correr atrás dos ips das máquinas para neutralizar, resolvem derrubar um serviço prejudicando milhões de inocentes que não tem nada em relação a isso.

Os mais apressados devem procurar um provedor alternativo enquanto essa enrolação jurídica não se resolve. Mas que dá raiva na Microsoft, isso é a mais pura verdade.

Atualização(02/07): Segundo o http://www.noip.com/blog/2014/06/30/ips-formal-statement-microsoft-takedown/, uma solução encontrada é criar um novo hostname usando um dos domínios que não foram ou que ainda não foram tomados pela Microsoft:

ddns.net
webhop.me
serveminecraft.net
ddnsking.com
onthewifi.com

Eu fiz a reconfiguração e deu certo. Como uso um CNAME de um host adilson.net.br para o novo hostname do No-IP, então nem preciso decorar o novo nome para acessar a minha máquna. De, qualquer forma, criei um outro hostname de backup em http://freedns.afraid.org/ que também está funcionando sem problemas. Vai que a Microsoft resolva tomar os domínios restantes do No-IP

Tenham uma boa semana.

quinta-feira, 26 de junho de 2014

FIFA decide suspender Suárez após mordida no ombro do Chiellini

Pelo jeito não vai mais ter copa para o Uruguaio.

Um dos lances mais polêmicos desta copa do mundo aconteceu mesmo no jogo Uruguai X Itália quando o atacante Luis Suárez resolve dar uma provada no ombro do Chiellini. Só que a carne estava dura demais.

"Ai meu dente! Na próxima vez terei que levar para cozinhar antes de comer. Muito dura a carne.."

Luis Suárez surpreendeu o mundo do futebol ao voltar aos gramados menos de um mês após operar o joelho. Em um período menor ainda, ele jogou por terra a chance pela qual lutou de forma tão árdua. A mordida em Chiellini no confronto com a Itália acarretou uma suspensão por nove jogos, além de ser banido por quatro meses de qualquer atividade ligada ao futebol. É o maior gancho da história da Copa do Mundo. O "recorde" anterior era do italiano Mauro Tassotti, suspenso por oito partidas por ter quebrado o nariz de Luis Henrique, da Espanha, em 1994.

O atacante terá de cumprir os nove jogos de suspensão em jogos da seleção uruguaia, o que deve tirá-lo até de jogos da Copa América de 2015. De acordo com a chefe de comunicação da Fifa, Delia Fischer, após os quatro meses Suárez poderá disputar amistosos com a seleção e atuar normalmente pelo Liverpool, seu clube na Inglaterra.

Fora da Copa do Mundo, o jogador uruguaio pode recorrer. Porém, de acordo com o artigo 124 do Código Disciplinar da Fifa, o efeito suspensivo do recurso só é aplicável ao pagamento da multa de 100 mil francos suíços (cerca de R$ 250.000). A punição já vale para a partida das oitavas de final, entre Uruguai e Colômbia, sábado, no Maracanã. O Comitê Disciplinar enquadrou o jogador nos artigos 48 (conduta antidesportiva) e 57 (comportamento ofensivo e fair play) do código.  O afastamento de qualquer atividade relacionada ao futebol por quatro meses é regulada pelo artigo 22 do Código Disciplinar.

O lance da mordida em Chiellini aconteceu aos 35 minutos do segundo tempo. Depois de cruzamento na área, Suárez fingiu que disputaria a bola com o zagueiro, mas mordeu o ombro esquerdo do italiano. O árbitro mexicano Marco Rodríguez nada viu e não puniu o uruguaio.

Essa não é a primeira vez que Luis Suárez está envolvido em um caso de mordida em um companheiro de profissão. Quando ainda jogava pelo Ajax, da Holanda, o uruguaio mordeu o atacante Bakkal, do PSV, em 2010. No ano passado, o jogador do Uruguai repetiu o ato jogando pelo Liverpool contra o zagueiro sérvio Ivanovic, do Chelsea. Por ser reincidente, pegou dez jogos de suspensão. Todos os casos anteriores foram levados em consideração para a aplicação da pena.

- Esse comportamento não pode ser tolerado em nenhuma competição, muito menos na Copa, com os olhos do mundo voltados para a competição - afirmou Claudio Sulser, presidente do comitê disciplinar da Fifa, em comunicado lido no briefing diário promovido pela Fifa no auditório do Maracanã.

De acordo com o jornal uruguaio "Ovación", a estratégia de defesa dos uruguaios baseou-se na argumentação de que não houve mordida, mas apenas um choque casual de jogo, sem poder precisar exatamente se no ombro, na nuca ou no pescoço do defensor italiano. Além disso, a defesa sugeriu que o defensor italiano já tinha uma lesão no ombro. 
Ainda segundo a publicação uruguaia, foram apresentados vídeos, fotos e textos jurídicos para defender o jogador, que ficou em Natal e não deu qualquer tipo de declaração. Já o diário “El Observador” informou que uma carta de 17 páginas foi apresentada ao tribunal.

Nada disso, porém, serviu para convencer o comitê formado por 19 integrantes, muitos deles de países sem grande tradição no futebol. O presidente é o suíço Claudio Susler, o vice é Kia Tong Lim, de Singapura. E os demais são de Venezuela, Paraguai, Congo, Estados Unidos, África do Sul, Argélia, Eslovênia, Irlanda do Norte, Tonga, Equador, Panamá, Ilhas Cayman, Ilhas Cook, Paquistão, Suécia e Austrália.



Ou seja, ele nem pode mais pisar no Maracanã neste sábado e ainda ganhou "férias forçadas" do Liverpool por quatro meses e nem recurso pode botar ele de volta para copa.

Quem está mais aliviado são os Colombianos que irão enfrentar o Uruguai na próxima partida.


"Cancelem la encomienda. Suárez fue para la carrociña!" - Técnico Colombiano


Tenham uma boa semana.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Hoje vai ter ou não vai ter Copa?


Hoje é o grande dia em que, finalmente teremos a resposta da grande discussão que rondou desde o ano passado:



Tudo indica que vai ter copa sim. Já que a festa está aí, vamos aproveitar e não esquecendo de mandar o governo, a FIFA e, muitos do patrocinadores, que abusaram do dinheiro público com estádios superfaturados, tomar no.....

Xiii. O Mascote não gostou. :)

Agora uma boa copa e Vai Brasil!!!!!

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Trusty Tahr será lançado hoje.

Quem gosta de Ubuntu já deve estar sabendo que, de acordo com este link, hoje será lançada a versão 14.04, conhecida como Trusty Tahr. O link para baixar a nova versão deve estar disponível a qualquer momento e, como em todo lançamento, deve congestionar os sites devido a alta popularidade desta distribuição.




Essa será uma versão LTS, de suporte prolongado que vai suceder o Precise Pangolin e terá o suporte pela Canonical por 5 anos. Dentre as novidades a adoção do kernel 3.13, melhorias na interface e muitas outras que não estão listadas aqui.

Uma boa quinta e um bom download quando surgir o link.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Dyn anuncia o fim do DynDNS gratuíto

Para quem viu o http://www.adilson.net.br/2013/05/como-sobreviver-as-mudancas-das-regras.html sabe-se que o serviço gratuito do Dyn (antigo DynDNS) mudou as regras em que obrigava o usuário a se  logar de mês em mês para evitar que o serviço expirasse. Até encontrei um script que deixei no anacron que fazia o papel de logar na página para mim.

Mas, agora, desde a manhã desta segunda, 7 de abril, recebi um email anunciando o final: vão encerrar o serviço gratuito de DNS dinâmico em 30 dias. Ou seja, eles já não ofereciam mais o serviço sendo que, quem tinha ainda utilizava o serviço. Desta vez, em 30 dias, as contas gratuitas restantes serão encerradas a não ser que passe para um dos planos pagos, com um certo desconto.


Agora, desta vez, não tem escapatória.


No blog oficial, Jeremy Hitchcock, CEO do Dyn explica as razões para o final do serviço, dentre eles, o uso do serviço para atividades ilícitas e melhoras na infraestrutura e no suporte para os clientes pagos.

Então, até o dia 7 de maio, os clientes da versão gratuita deverão receber novos alertas que devem informar os usuários sobre como migrar para um plano pago e não perder o seu endereço.


Agora a alternativa mesmo é mudar para um outro serviço gratuito. Uma lista de alternativas pode ser encontrado neste endereço: http://dnslookup.me/dynamic-dns/. Eu, que uso uma máquina ligada a um Velox já migrei para o http://www.noip.com que continua gratuito e é um dos mais conhecidos depois do, praticamente finado, DynDNS.

Tenham uma boa semana.

sexta-feira, 7 de março de 2014

Reporter da Newsweek afirma que encontrou Satoshi Nakamoto

Parece que encontraram o criador do Bitcoin

Existe aquelas brincadeiras de esconde-esconde que fica difícil de encontrar a pessoa. Até hoje o que conseguiu se esconder por mais tempo foi Osama Bin Laden que ficou entocado no Paquistão até que alguns soldados dos EUA metralharam, transformando-o em, segundo a versão oficial,  comida de peixe.

Outra pessoa que ficou escondida por um bom tempo era Satoshi Nakamoto, o criador do Bitcoin e nisso havia um nível de dificuldade ainda maior. Ele nunca foi visto, ninguém sabia como ele é e especulavam que era o nome fictício de alguém ou de um grupo responsável pela criação da moeda virtual mais comentada nos últimos anos. 

E isso até que uma repórter da Newsweek investigou a fundo e chegou numa pessoa que seria o verdadeiro Satoshi Nakamoto e que o nome dele é real.

Bom, segue o copy & paste do http://olhardigital.uol.com.br/pro/noticia/40681/40681 que explica mehor a história:

Quem diria? O criador da Bitcoin, principal – e mais polêmica – moeda virtual em circulação, é um senhor de 64 anos, nascido no Japão e naturalizado norte-americano, com um gosto peculiar que o faz colecionar trenzinhos e um temperamento à la Steve Jobs. Não só isso, Satoshi Nakamoto é dono de uma fortuna em Bitcoins avaliada em cerca de US$ 400 milhões, mas vive numa casa humilde com a mãe em Temple City, na Califórnia.
Até hoje o nome Satoshi Nakamoto era só uma especulação, ninguém sabia de verdade se o homem existia ou se era um código, um pseudônimo ou coisa parecida. Então a repórter investigativa Leah McGrath Goodman, da revista Newsweek, mergulhou no caso e o desvendou, apesar de ter trocado apenas algumas palavras com ele.
Mais velho de uma família com três irmãos engenheiros, Nakamoto nasceu em Beppu, no Japão, em 1949, onde foi criado pela mãe, Akiko, sob preceitos budistas. Quando ele tinha dez anos, a mãe havia passado por um divórcio e se casara novamente quando todos se mudaram para a Califórnia, nos EUA.

FORMAÇÃO 
O garoto se formou físico na California State Polytechnic University e, desde então, adotou o nome Dorian Prentice Satoshi Nakamoto, assinando como Dorian S. Nakamoto. Saindo da faculdade, passou a trabalhar na Hughes Aircraft nas áreas de defesa e comunicações eletrônicas. Na década de 1980, se mudou para Nova Jersey, onde começou a trabalhar para a Radio Corporation of America como engenheiro de sistemas – foi quando conheceu a segunda esposa e teve cinco de seus seis filhos; só o primeiro é fruto do antigo casamento.
Nessa empresa, que hoje se chama L-3 Communications, Nakamoto atuava em trabalhos secretos para o governo, projetos que envolviam aviões e navios de guerra. Ele também fazia trabalhos militares paralelos, mesmo estando na RCA, até que, em 1987, o casal voltou para a Califórnia. Lá ele se sustentava como engenheiro da computação na região de Los Angeles e chegou a ser demitido duas vezes na década de 1990, sendo obrigado a hipotecar a casa, que acabou perdendo.
Esse ponto é importante porque Ilene Mitchell, 26, filha mais velha de Nakamoto, disse à Newsweek que foram provavelmente esses problemas que formaram o pensamento que seu pai tem sobre impostos e governo e, mais pra frente, podem tê-lo levado a idealizar algo como a Bitcoin. Ele sempre incentivou Ilene a ser independente, iniciar um negócio próprio e "não ficar sob controle do governo". "Ele era muito cauteloso com o governo, os impostos e as pessoas responsáveis", comentou ela.
Depois de uma temporada de volta em Nova Jersey, quando ele e a esposa, Grace Mitchell, 56, se separaram, ele retornou outra vez a Tample City, onde permanece até hoje. E ninguém da família sabe ao certo o que Nakamoto faz para viver.

CAÇADA 
Quando a repórter chegou à porta de sua casa, Nakamoto a esperava com dois policiais que sequer sabiam que ele era o pai da moeda virtual. Se recusou a responder qualquer pergunta sobre Bitcoin e apenas confirmou seu envolvimento com ela ao dizer que ela foi entregue a outras pessoas: "Já não tenho qualquer ligação", informou ele, antes que os policiais fizessem a representante da Newsweek entender que não haveria entrevista.
Leah McGrath passou dois meses conversando com pessoas próximas a ele, compreendendo que de fato Nakamoto não é sujeito de holofotes. Arthur, seu irmão mais novo, avisou-a de que, apesar de "brilhante", ele é "um idiota" que negaria qualquer coisa que lhe fosse perguntado: "Ele nunca admitirá ter começado a Bitcoin", adiantou.
Gavin Andresen, cientista-chefe da Bitcoin, trabalhou com Nakamoto no desenvolvimento da moeda entre junho de 2010 e abril de 2011 e constatou que o temperamento do antigo colega é difícil. "Ele era o tipo de pessoa que, se você cometesse um erro honesto, ele poderia chamá-lo de idiota e nunca mais falar com você", ressaltou. Nesse período, os dois só se falavam por correspondência eletrônica e Nakamoto jamais respondeu a qualquer questionamento pessoal; quando, em 26 de abril de 2011, Andresen disse que fora convidado a palestrar para a CIA sobre a moeda, Nakamoto desapareceu.
"Eu tenho a impressão de que Satoshi estava realmente fazendo isso por razões políticas", disse Andresen, confirmando as suspeitas da filha Ilene. De fato, a Bitcoin se tornou um gigante financeiro com operações diárias que somam quase US$ 500 milhões. Ela cresceu a um ponto inimaginável até a quem se envolveu na sua criação, tanto que Andresen ganhou US$ 800 por centavo investido na moeda virtual.
Se a ideia de Satoshi Nakamoto era criar uma forma de driblar o sistema financeiro convencional, ele conseguiu. A Bitcoin não está vinculada a nenhum governo e pode ser enviada de uma conta à outra, sem taxas, com a mesma facilidade de se trocar e-mails. Aos invés de bancos intransponíveis, quem fiscaliza as transações são os próprios usuários, que sabem de onde vem e pra onde vai cada centavo virtual.

Segundo http://www.businessinsider.com/ap-nakamoto-never-heard-of-bitcoin-2014-3, Nakamoto está negando que é ele o criador do Bitcoin. Não se sabe se é para despistar ou a repórter errou mas isso ainda vai dar muita história por aí.

Atualização (07/03/2014): Depois de muitos anos apareceu a primeira declaração virtual de Satoshi Nakamoto em http://p2pfoundation.ning.com/forum/topics/bitcoin-open-source?commentId=2003008%3AComment%3A52186 que diz "I am not Dorian Nakamoto"(Eu não sou Dorian Nakamoto). Ou seja, ele diz que não é o aquele que a Reporter da Newsweek encontrou. Nisso dá em duas possibilidades. Uma é que ele está tentando salvar o Dorian do assédio total da imprensa por algo que ele não é realmente. A outra é que o Dorian é mesmo o Satoshi Nakamoto do Bitcoin e resolveu dizer isso justamente para criar um clima de dúvida e amenizar o impacto da descoberta da reporter. Nisso acho que não teremos uma verdadeira resposta tão cedo.

Tenham uma boa sexta.

Não foi desta vez. Christopher Lloyd pede desculpas pelo vídeo falso do Hoverboard

Não foi desta vez que teremos o Hoverboard. Mas o tênis ainda está garantido.

Sobre a notícia de ontem, realmente o site e-farsas acertou dizendo que é falso. Tanto que o próprio Dr. Brown/Christopher Lloyd enviou um vídeo do site que originou a brincadeira, o Funny or Die que disponibilizo abaixo:

O resto deixo com o copy & paste do http://gizmodo.uol.com.br/video-fake-hoverboard/ que explica tudo:

Esta semana, começou a circular pela internet um vídeo que mostra um hoverboard de De Volta para o Futuro II aparentemente voando. Havia muitas pistas de que isto era falso, e o Funny or Die enfim admitiu estar por trás deste viral. Mas nós ainda não sabemos ao certo por que eles fizeram isso.
“Se nós inspiramos uma pessoa a entrar nas ciências do hoverboard, considero isto uma vitória”, diz Christopher Lloyd, que interpretou o Dr. Brown, no vídeo de “desculpas”. “Torço que hoverboards sejam mesmo reais um dia. Vão! Façam isso acontecer! Por todos nós! Deus te abençoe.”
A pegadinha inclui até um site bastante profissional para a empresa fictícia HUVr Tech, que ajudou a enganar os desavisados. O domínio só foi registrado em 25 de novembro de 2013, pouco tempo para uma empresa com uma tecnologia tão revolucionária.

Aparentemente, o objetivo era dar de presente um hoverboard não-funcional para quem visitar a página do Funny or Die no Facebook: “vamos escolher aleatoriamente entre os que comentarem sobre este vídeo nas próximas 24 horas para ganhar um HUVr Board assinado por todo o elenco”. Isso inclui Tony Hawk, Moby, Billy Zane e o próprio Christopher Lloyd, entre outros.
Parece um motivo fraco para tanto esforço. Se isso fosse uma propaganda para a Mattel, até faria sentido: em 2012, a empresa lançou uma réplica do Hoverboard que custava US$ 120. Claro, ele não voava, mas prometia “deslizar sobre a maioria das superfícies”. Só que nem isso ele conseguia fazer:
Ele não desliza. Nem um pouco. Nem suavemente, nem bruscamente, nem nada. Não há qualquer deslizamento de qualquer espécie, porque isso é apenas um pedaço de plástico com um compartimento de pilha AA e efeitos sonoros do filme…
mattel hoverboard review
No fim, foi só uma pegadinha que acabou decepcionando nerds retrofuturistas como eu, mesmo que apenas por um breve momento.
Esta não é a primeira vez que o mundo é enganado com a promessa de hoverboards. Em 1989, o diretor de De Volta para o Futuro II foi à televisão e declarou que hoverboards eram reais. “Eles são uma realidade há anos, mas entidades parentais não permitem às empresa de brinquedo fabricá-los”, insistiu Robert Zemeckis. “Mas nós conseguimos pôr as mãos em alguns deles, e vamos colocá-las no filme.” Claro que era mentira – assim como o viral.
Bom, fazer o que. Agora que já foi confirmada a farsa, só resta dizer o futuro quase chegou.

Tenham uma boa semana.

quinta-feira, 6 de março de 2014

Empresa lançará o Hoverboard do "De Volta Para o Futuro" no final do ano. Será verdade??

Por enquanto só temos a confirmação do tênis pela Nike
Um vídeo andou circulando na rede sobre uma empresa que está desenvolvendo aquilo que, na teoria, é pura ficção-científica: o famoso hoverboard que aparece no filme "De Volta Para o Futuro II". O vídeo tem a participação de Christopher Lloyd, o Dr. Emmet Brown do filme.



De acordo com a própria empresa, o skate é feito de uma tecnologia mais avançada do que alguns satélites e a previsão de lançamento é em dezembro deste ano. Agora fica difícil saber se isso é verdade ou não tanto que o site e-farsas, verificaram e concluíram que o vídeo é falso.

Mesmo assim fica difícil saber se isso é verdade ou não, se é uma brincadeira do mesmo nível do que foi utilizado naquele aplicativo Tubby, algum vídeo promocional de alguma coisa ou isso é realmente verdade. Só vamos saber mesmo qual a intenção deles daqui a alguns meses.

Maiores informações:

http://www.tecmundo.com.br/tecnologia/52033-hoverboard-de-de-volta-para-o-futuro-sera-realmente-lancado-no-mercado-.htm

Tenham uma boa semana.